quinta-feira, dezembro 6

A Pobreza, África e a Agricultura

Sebastião Salgado

Hoje em entrevista ao Público a coordenadora executiva da Campanha para os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio das Nações Unidas, Eveline Herfkens refere que:

“Onde há guerra e conflitos, não há progressos. Não se pode ter desenvolvimento sem paz. As regiões sem paz não estão a progredir de todo; ao contrário, estão a regredir.”

“Mas, enquanto os países ricos não garantirem o acesso de produtores pobres aos seus mercados, os países pobres não conseguirão sair da pobreza. Não conseguiremos atingir o objectivo de erradicar a pobreza para metade se não permitirmos que os pobres, dois terços dos quais vivem em zonas rurais, possam ganhar a vida.”


O primeiro aspecto diz respeito ao próprios, ou seja, enquanto oligarquias étnicas governarem os seus países como se fossem cotadas particulares, todo ao povo irá sofrer. Pouco ou nada pode fazer a comunidade internacional.

Relativamente ao segundo aspecto, estamos perante um dos maiores desafios ás democracias ocidentais, nomeadamente à Comunidade Europeia: Ou mantemos o proteccionismo à nossa agricultura e mantendo os nossos agricultores a viver “artificialmente”, prejudicando os países mais pobres, ou abrimos os mercados, colocando os agricultores europeus numa situação mais difícil, mas dando efectivas possibilidades de melhoria das condições de vida dos africanos. Esta questão está longe de ser simples. Remete, não só para o futuro dos agricultores europeus, mas para todos os seus efeitos colaterais, dos quais se destaca as questões ambientais e do ordenamento do território. Para além das culturais, obviamente. No seu sentido mais amplo. Reduzir a agricultura é uma mudança radical no contexto da história europeia.

Esta matéria é das mais complexas de resolver. Aqui não é só o branco e o preto, existem muitos tons de cinzentos possíveis.

2 comentários:

Rui Silva disse...

O grande problema de África reside na corrupção na incompetência e na ausência de quadros! Reside em sociedades onde não há desenvolvimento económico, pura e simplesmente, porque não há gente capaz para o fazer...e deixemo-nos mais uma vez de complexos, será que ainda querem que a Europa seja o "biberon" daquela balda completa?
O exemplo do Zimbabwé é bem elucidadtivo de como se destruiu (criminosamente) um dos mais prósperos países africanos. Se estes exemplos não chegarem?

Paulo Pisco disse...

Caro Rui, tens toda a razão. Por tudo isso só acreditamos numa verdadeira reconversão de África com os africanos. Cumprindo duas condições: Acabar com os governos curruptos e facínoras e dar condições para o povo poder subsistir pelos seus próprios meios. No estado actual de desenvolvimento humano em África só através da produção agrícola.