quarta-feira, junho 25

Junho outra vez



O mês de Junho tem sido marcante nas nossas vidas. Desde Sempre. De falecimento, casamento e nascimento, surpresas e outros eventos, temos tido de tudo um pouco. O deste ano não foi excepção. Por isso temos andado ausentes. Muito se tem passado entretanto.

O nosso pai chegou aos 71 anos e a nossa filha aos 11. Os dois (nesta foto) num diálogo de gerações encontram-se, pequenos mas firmes, perante a imensidão do mundo que os rodeia. Mas não o temem. A sua firmeza está na continuidade desse diálogo. Mesmo quando a racionalidade (ainda ou já) não o habita e apenas a ternura perdura, o amor permanece e tudo o resto sobra.

Hoje em dia, é cada vez mais difícil manter este contacto entre gerações. Todos são arrumados entre: infantários, escolas, escritórios ou lares. Todos muito espartilhados por compartimentos. Os velhos com velhos, as crianças com crianças. Muito pouco, uns com os outros. De tal forma que, às tantas, ninguém consegue comunicar. Primeiro entre gerações, depois intra, e por fim, nem mesmo com o seu próprio espelho.

O que não percebemos, ou geralmente temos dificuldade em entender, é que o ser humano só existe em relação. E só nessa relação somos alguém. O simples desconhecimento desta realidade leva a que, por preguiça, comodismo, pragmatismo, simples egoísmo ou aparente conforto, percamos o essencial por ausência do outro. No entanto, sem relação resta apenas a solidão.

Foi esta verdade, simples mas tão subtil, que Junho nos trouxe outra vez. Obrigado.

Caminhos


"Subindo os degraus da cultura "

António Manuel Pinto da Silva

2008

sexta-feira, junho 13

Um dia Feliz




Foi por um acaso, ou talvez não, que nos casámos neste dia. Queríamos casar num dia de semana. Uma sexta de preferência. Como alguns dos convidados – só a família nuclear - trabalhavam em Lisboa, aproveitámos o feriado. Mas casámos em Setúbal. Já lá vão 13 anos. Não satisfeitos voltámos a fazê-lo à dois anos atrás, mas desta vez na Igreja. Onze anos depois, no mesmo dia lá voltámos a casar. É necessário alguma convicção, convenhamos.

Hoje temos novamente uma sexta-feira, 13 de Junho, como em 1995. Casamos o casamento, como se diz. Santo António o “Santo casamenteiro” tornou-se assim o nosso padroeiro, quase que por acaso, ou talvez não... Não nos arrependemos, antes pelo contrário.

Bom dia de Santo António, ou boa sexta-feira 13 conforme o preferirem, para todos. Para nós será com certeza.

Rosa



para o nosso amor.

quarta-feira, junho 11

Bocas


kissing lips

Filipe Pombo

2008

E depois do "circo" quem governará o Pais?





Perante esta situação de paralisia generalizada do País num completo desrespeito pela Lei Portuguesa, provocada pelo bloqueio dos camionistas, ficámos a saber que o Governo deixou de existir. O primeiro-ministro parece só saber gritar com os fracos, com os que não representam uma verdadeira ameaça. Perante uma crise grave eclipsa-se. Deixa correr. Ele, o restante Governo e o partido que o apoia. Quem verdeiramente lidera hoje o País?





A resposta não é fácil. A ideia por parte do Governo, é ver se "isto" passa, entre um jogo e outro da selecção nacional. Mas imaginem se a selecção perder. O povo alienado ficará sem o “circo” quando o “pão” parece já estar mais do que ameaçado. Com esta crise de autoridade de Estado, a juntar a todas as outras, tudo aparenta estar por um fio. O desenrolar dos próximos dias da nação estão mais dependentes do Sr. Scolari do que do nosso Eng. Sócrates. Este Governo estratégicamente ausente parece, de repente, ter deixado de existir. Estará a nossa governabilidade actual assim tão dependente da sorte de um treinador de Futebol? Parece-nos bem que sim. Seja como for, não se prevê nada de bom, nem agora nem mais tarde. Este Verão que já prometia vir a ser escaldante pode vir a aquecer ainda mais após o Euro 2008. E depois do "circo" quem governará o Pais?


terça-feira, junho 10

Bocas

boquinha doce

José Ferreira

2008

"Convoy" o comboio dos duros




Parece antever-se uma nova manifestação de camionistas. Segundo as noticias estão a preparar um cerco a Lisboa e Porto. Um “Comboio dos Duros”. Sempre que os camionistas se manifestam lembramo-nos deste filme. Este retratava as aventuras de uma coluna de camiões liderada por Rubber Duck (Kris Kristofferson) através dos estados de Novo México, Texas e Arizona como protesto pelos abusos do perturbado polícia (Xerife) Lyle Wallace, pondo tudo por onde passavam de “pantanas”. Dessas memórias de infância ficou o regozijo da luta contra a injustiça, aqui personificada pelo xerife. Transpondo isso para a nossa realidade, a respostas a algumas perguntas são mais difíceis: A luta dos nossos camionistas será justa? E o causador da injustiça, quem será? O governo? O Petróleo? A Globalização?

Esta luta é um protesto de um sector, como no caso das pescas, que se sente particularmente prejudicado pela conjuntura. Mas o apoio a um sector afectado por algo que não é criado por responsabilidade directa do Governo não poderá estender-se a muitos outros protestos de sectores igualmente prejudicados? A ajuda pontual aos transportes não será sentida como uma injustiça para outros? Ou poderá ser este já um sinal, como em 24 de Junho 1994, o bloqueio da ponte anunciou o fim do Cavaquismo? Talvez ainda não, mas os sinais nesse sentido começam a avolumar-se. Este bloqueio dos camionistas tem, apesar de tudo, características muito diferentes: pretende ter dimensão nacional e internacional, na medida em que condiciona exportações e importações. E pretende condicionar a mobilidade rodoviária principalmente em torno das grandes cidades de Lisboa e Porto e nas fronteiras. Parece que alguns bens de consumo já começam a faltar nos grandes fornecedores.

Vivemos tempos paradoxais. Ainda nos últimos dias em Serralves (Porto)67 mil visitantes, durante 40 horas gratuitas, entraram no Museu. Em Setúbal, onde residimos, sente-se grande adesão de público aos vários eventos, mais populares ou eruditos. As esplanadas estão cheias de gente a ver e a comentar os diversos jogos do Euro 2008. Mas simultaneamente a este País contrapõe-se um outro em agonia. A questão é saber se a adesão a toda esta festa é apenas alienação. Se for, um qualquer rastilho pode atiçar o barril de pólvora. Resta saber se este protesto será feito e sentido como um "um comboio de duros" ou se ficará apenas como mais um fenómeno fruto da época?


A Festa do Cinema


A 24ª edição do Festroia está a correr. A sensação que temos, não sendo especialistas, é que o certame está definitivamente numa fase de consolidação e expansão. Depois de grandes dificuldades económicas o Festroia parece estar num ciclo ascendente, quer em termos de programação quer em termos de saúde financeira. Só falta Setúbal ter as suas salas de cinema em melhores condições – Fórum Luísa Todi e Auditório Municipal Charlot – apesar de se ter alargado para o IPJ, em Setúbal, e para fora no Casino de Lisboa e para o Auditório Fernando Lopes Graça (Almada). Esta estratégia de crescimento regional articulada com a restante Área Metropolitana é de grande alcance. Alargar os públicos e os patrocinadores é essencial à sobrevivência de um evento desta natureza. A escala internacional só se consegue com uma “massa critica” suficientemente forte para tornar o festival aliciante. E esta tem de ter dimensão regional. O centro deve continuar a ser Setúbal, mas deverá ser um evento associado ao todo regional.
Este ano, excepcionalmente, tivemos a oportunidade de conseguir arranjar maior disponibilidade do que é habitual para poder assistir a mais filmes. Normalmente pouco mais conseguíamos que os filmes da inauguração e do fecho. E, já não era mau.
Felizmente este ano pode ser diferente. É uma oportunidade de ver filmes que nunca poderíamos ter a hipótese de ver. A maioria deles não se encontra no circuito comercial. Muitos são de facto bastante interessantes propondo “estéticas” e formas de narrativa diferentes. Nem sempre completamente conseguidas, mas estimulantes. Permitem sair do “lugar comum” a que quase sempre estamos remetidos quando dependemos das distribuições de massas.
Ao longo a semana destacaremos alguns dos que mais gostamos.
Setúbal continua em festa. E uma festa de qualidade – apesar das más condições das salas – e cosmopolita. Dá gosto ver.

sexta-feira, junho 6

quarta-feira, junho 4

Portugal Profundo


Momentos Rurais

Rui Pires

2008

Como fugir`ao "efeito tenaz"?

O primeiro-ministro José Sócrates (JS) vai ter, a partir de agora, a sua prova de fogo. Verdadeiramente desde que foi eleito ainda não passou ainda por nenhuma dificuldade politica séria, tirando talvez, o “caso licenciatura”. Chegou ao poder e à maioria absoluta, ao colo da nação por esta estar cansada do desvario da governação anterior. Desde então faz uma governação à sua medida, podendo tomar as medidas que acha por bem tomar e governando mais pela palavra e pela imagem do que pela qualidade da acção. Mas a facilidade parece estar a acabar. Do ponto de vista político JS tem tido alguma habilidade para manter um certo conforto ao nível da opinião pública, mas a maré parece estar a mudar. Senão vejamos:

O “comício da esquerdas” realizado ontem, onde a presença de Manuel Alegre, junto com Louçã e companhia, vem causar um grande mau estar ao PS. JS que tem governado apoiado num eleitorado central tem hostilizado “alguma esquerda” que tem sentido um grande desconforto e está disponível para afrontar este PS.

Sábado passado foi eleita Manuela Ferreira Leite para a liderança do PSD e pelas características da personagem a bagunça que tem reinado no maior partido da oposição está prestes a acabar. O que torna o passeio de JS mais difícil.

E por último, mas não menos importante, a crise económica com a escalada dos preços que provoca a aceleração da reestruturação de muitos sectores que por força de já estarem muito fragilizados não vão conseguir sobreviver. Tudo isto vai, como sempre afectar os mais desprotegidos, os mais frágeis.

JS escolheu um caminho que se pode agora manifestar-se muito apertado, podendo ficar sujeito ao “efeito tenaz”, entalado entre a esquerda e a direita politica:

O centro-direita tendo alguém que o represente vai começar a ser mais critica da sua governação. O apoio inicial por parte deste eleitorado pode estar a acabar.

A esquerda muito zangada com JS não lhe vai perdoar o caminho escolhido, mesmo a do PS a chamada ala “Alegrista”. Vai querer medir forças.

Por outro lado, a crise económica vem tornar ineficaz qualquer discurso sobre o assunto. Tendo JS apostado muito nos resultados económicos, com o controlo do défice à cabeça, todo o seu discurso político parece estar comprometido.

A partir de agora vamos poder perceber se o primeiro-ministro tem ou não capacidade de enfrentar reais dificuldades políticas. O tempo da luta contra as classes profissionais parece estar definitivamente esgotado, assim como o discurso sobre o descrédito da governação passada. A vitória sobre o défice (ainda que periclitante) não parece poder, por si, criar uma base de apoio ao governo e muito menos encher a barriga a alguém.

Que irá fazer JS para fugir à tenaz?

segunda-feira, junho 2

Noite cheia de arquitectura





No Programa Câmara Clara a propósito da maior exposição sobre a obra e a vida de Le Corbusier.

Em conversa com Paula Moura Pinheiro, Ana Tostões, a arquitecta especialista em História da Arquitectura Moderna, e o arquitecto João Luís Carrilho da Graça, um dos mais “neo-modernistas”




De seguida tivemos um documentário de Sidney Pollak, desaparecido esta semana.
Amigo de Frank Gehry, Esboços de FG é um documentário de 2006, uma biografia notável do célebre arquitecto que incide sobre o seu processo criativo, desde os primeiros desenhos à obra construída.

Duas abordagens, sobre dois arquitectos, que apesar de terem muito pouco em comum experimentaram e inovaram na arquitectura.

A Arquitectura e o serviço público de televisão ao seu mais alto nível.