sábado, outubro 15

Aqui se vê a força do PC!!!!???


Hoje, na sua crónica do Público, Vasco Pulido Valente (VPV) volta a acertar em cheio. Refere-se às dificuldades que os governos democráticos irão ter para governar nos próximos anos e ao aumento eleitoral da força politica que melhor representa esta vontade conservadora de deixar tudo na mesma. Existe hoje em Portugal (tal como na Europa) um problema sério; a “Ingovernabilidade” persistente. Esta decorre do sentimento de insegurança que o "povo", melhor ou pior instalado, vai sentindo de uma forma cada vez mais séria.

O "modelo social europeu" a que se habituou está ameaçado. A vontade de o conservar é muito superior à necessidade e inevitabilidade de o mudar. Guterres sabia disso em 2001 quando se foi embora e Barroso também após as europeias de 2004. Os resultados eleitorais foram um obvio aviso que as medidas difíceis tinham que esperar por melhores dias. Por esta razãoa eleição autárquica a que acabamos de assitir tem, inevitavelmente, uma leitura nacional.

O PCP/CDU foi um dos vencedores desta eleição. Como refere VPV:

A cidade de Setúbal, o exemplo que conhecemos melhor do ponto de vista eleitoral, é para esta análise um observatório previligiado. O PSD foi a segunda força mais votada (pela primeira vez) pelo efeito “Fernando Negrão”, logo a seguir ao PCP. Mas o voto útil do eleitorado tradicional do PS não veio inteiro para o PSD dividiu-se entre este e o PC.

Apesar de sabermos que a Presidência tem sempre um efeito "polarizador" no eleitorado local, o resultado da CDU, perdendo a maioria absoluta, não deixa de ser surpreendente (40%). E podemos garantir que não foi pela "obra" realizada.

Numa cidade com a história de Setúbal, mesmo não gostando do PCP, uma parte do eleitorado do PS prefere o voto "seguro" no Partido Comunista. Sim porque estes, já não sendo perigosos, se tornam na única força que não desilude. Tornando-se, assim e cada vez mais, o único porto seguro.

Voltará o PC a sair da hibernação a que tem estado sujeito? Parece não haver dúvidas que sim.E assim se confirma a velha teoria que o comunismo se "alimenta" da miséria, pois é nela que se torna mais forte. Assim se vê ...

3 comentários:

Filipe Alves Moreira disse...

Há um aspecto nos resultados autárquicos do PC que me merece destaque: este partido tem, no nosso Pais, duas grandes bases de apoio: uma, letrada, constituida pela restea da intelectualidade vinda (ou herdeira) do anti-salazarismo; outra, pouco letrada e vinda de sectores tradicionais da agricultura (Alentejo) ou indústria (que suponho ser o caso aí das margens do Sado). Este segundo grupo, suficientemente afastado de visões ideológicas da Sociedade, vota localmente a pensar localmente, e vê nos Comunistas indivíduos que podem melhorar as situações concretas do seu dia-a-dia,não se preocupando com questões globais - digamos que não é verosímil ver agricultores de Beja em manifestações contra o "imperialismo americano". Quanto ao grupo dos intelectuais, ideologicamente consistente,representa o que de pior o PC tem, pois continua com as mesmas lentes leninistas, ainda que maquilhadas. Sucede que, em cada Eleição Autárquica, o "PC ordeiro" fornece ao "PC intelectual leninista" um balão de oxigénio. Mas, na realidade, são dois partidos muito diferentes. No que diz respeito a estas eleições em particular, embora o PC já tenha tido, em tempos, melhores resultados, é difícil acreditar que uma parte dos votos não tenham vindo de votantes do PS descontentes com a governação Sócrates.
Saudações!

Paulo Pisco disse...

Completamente de acordo.
Caro FAM.
Aqui, como em qualquer lugar, quando o "povo" se sente inseguro volta aquilo que lhe é mais "familiar".

chapa disse...

O discurso agressivo do Jerónimo de Sousa contra o Governo, deve ser uma das razões que despoletou o descontentamento contra o PS. Nesta conjuntura de empobrecimento das pessoas, é normal que se capitalize esse descontentamento.